.

Desabafo

Quem escreve em um blog tem vários termômetros. Os comentários, visualizações, indicações, as análises do Google Analytics, o bate-papo pessoal com os amigos. Depois de mais de 10 mil visitas, confesso que fico contente com o perfil da minha audiência. Os comentários são poucos, mas coerentes. Nem sempre há concordância com o que escrevo, mas esse é o fundamento da crítica, apresentar diferentes pontos-de-vista sobre um assunto.
Bom, se eu estou feliz com a minha audiência, qual seria o motivo do título desabafo? É que outro dia, navegando por alguns sítios, deparei-me com o do Big Brother Brasil 8 e com os blogs dos participantes. O do "doutor" Marcelo, por exemplo, tem uma média de 300 comentários por post! Já o da jornalista-modelo Juliana tem uma média de 100 comentários.
Além dos BBBs, o povo global também tem espaço para seus Globlogs. É ali que Ingrid Guimarães conta seu dia-a-dia, Cleo Pires indica suas músicas, José Wilker estraçalha a imprensa, Angélica coloca mais fotos do que escreve e Regina Duarte conta o que dá na telha. Até o Boni escreve - e bastante - em seu blog. O autor Aguinaldo Silva usa o espaço para falar algumas verdades (algumas até anti-globais) e é o nº 1 no ranking da audiência. Outro escritor, o Walcyr Carrasco, apresenta algumas "receitas" muito interessantes. Já a jornalista Leda Nagle tem uma pequena dificuldade com as teclas shift ou caps lock (ou esqueceu que nome próprio e início de frase é com maiúscula). Aliás, são poucos jornalistas que aderiram aos blogs. O casal 20 Bonner-Bernardes não se renderam à novidade. Ana Maria Bahiana, sim. Mas, dentre os blogs que dei uma espiada, acho que um dos melhores é o do Oswaldo Montenegro.
Pois é... Estou contente com minha audiência. Mas não posso deixar de parar alguns momentos e pensar: "O que que eles têm que eu não tenho?" (acho que era mais ou menos esse o refrão de uma música da banda Afrodite se Quiser...).

Capa da Semana
A capa é igual ao conteúdo: lamentável

Teclas mágicas

Semana passada descobrimos o verdadeiro nome de Yngwie Malmsteen. Hoje será a vez de Armando Anthony Corea. Tudo bem que o sobrenome ajuda e você já deve ter descoberto que a música da semana vem das mãos, da mente e do talento de Chick Corea.
Nascido em 12 de junho de 1941, o pianista e tecladista transformou a história do jazz, sendo um dos precursores, na década de 1970, do chamado jazz fusion, filhote do electric fusion que desenvolveu na banda de Miles Davis.
Assim como Malmsteen foi fruto de um mix de rock e música clássica, Corea nasceu num berço jazzístico (o pai italiano era trompetista), mas recebeu fortes influências da música erudita, já que aos 8 anos foi aluno do pianista concertista Salvatore Sullo.
Passou por diversas bandas, mas provavalmente a que mais o influenciou foi a de Miles Davis, onde substituiu Herbie Hancock. Foi nessa época que alternou o piano acústico com o piano elétrico. Na música desta semana é possível ter um exemplo do talento de Corea em um Fender Rhodes Piano, na música The One Step, de sua autoria, faixa de abertura do álbum Friends, de 1978. Neste trabalho, Corea contou com os sopros de Joe Farrell, a percussão de Steve Gadd e o baixo acústico de Eddie Gomez.
Nos anos 1970, Corea tocou com ícones da música como Al di Meola, Stanley Clarke, mas foi em 1985 que formou o legendário The Elektric Band, com John Patitucci (baixo), Frank Gambale (guitarras), Dave Wckl (bateria) e Eric Marienthal (sax).
Não vou me estender sobre a parte técnica deste grande pianista, pois acredito que o site eJazz trata do assunto muito bem. Então só resta você ouvir e curtir.

Vote
Nas terças-feiras de dezembro do ano passado, você conferiu a série Superação. Então, resolvi que de três em três meses vou trabalhar com um tema específico. O próximo será durante o mês de março (depois junho, setembro e dezembro). E, para aproveitar a ferramenta de enquetes do Blogger, você poderá votar na ordem dos temas: vocalistas (mulheres); vocalistas (homens); música vocal; música instrumental.

Dica

Entrou no ar, ontem, o Renovatio Café. Maiores detalhes, no próprio sítio e no blog de um dos "pais" do Renovatio, o Luis Fernando.

Direitos

Esse final de semana foi super corrido. Muitas das coisas que eu planejei não consegui realizar. Mas, parei um pouco agora para refletir sobre alguns fatos que me chamaram a atenção sobre como somos enganados, mesmo pagando muito pelos serviços:

1. Os fóruns de discussão são fantásticos. Através deles, descobri que a Net (operadora de TV a Cabo) fornece um cabo especial (S-Video para a Net Digital) sem custo. O grande lance é que, se você ligar e solicitar, eles vão informar que tem que pagar. Mas, para aqueles que "armam um barraco" eles fornecem "gentilmente".

2. Também descobri que o sinal da Net Digital não fica perfeito em televisores de plasma ou LCD. O sinal analógico tem uma definição melhor. Para os proprietários das TVs mais modernas eles oferecem o novo codificador pela "bagatela" de R$ 800,00 (ainda não é fornecido em comodato).

3. Outra descoberta, esta através de um amigo, foi uma forma de reduzir o custo com telefonemas, principalmente para quem faz muitos interurbanos. Basta inscrever-se no JustVoip e é possível fazer ligações diretamente pelo computador (necessário banda larga) para todo o Brasil - em qualquer horário - sem custo (para telefones fixos). É necessário apenas fazer um crédito de 10 euros (menos de R$ 30), que vale por 120 dias e podem ser utilizados em ligações cobradas (para celular ou para países que não fazem parte da lista free). Mesmo quem não tem banda larga, pode utilizar. Após o cadastro, é possível entrar no site e fazer uma transferência de ligação (a um custo de 5 centavos de euro por ligação) para uma linha de telefone. Neste caso, é preciso fornecer o número destino e o número em que você está. Este é um dos servidores de telefonia VoIP mais baratos (até mais que o Skype).

4. Para fechar as novidades, esse mesmo amigo contou-me que, já que iria fazer a maior parte das ligações pelo JustVoip, descobriu que existe um tipo de linha da Telefonica - naturalmente não divulgado - chamada Linha Lazer, ao custo mensal de R$ 9,90. Essa linha não tem minutos "bônus", ou seja, paga-se o que for utilizado, ao custo de R$ 0,10/minuto para telefone fixo. Mesmo assim, é muito mais barato do que o plano básico que oferece 200 minutos a R$ 38,80. Por exemplo, see eu gastasse 200 minutos na linha Lazer, pagaria R$ 20,00 + R$ 9,90 = R$ 29,90. Claro que para conseguir essa tal linha é preciso uma dose cavalar de paciência, ser atendido por pelo menos 5 operadores da Telefonica, isso se não acontecer de um deles (geralmente o terceiro ou quarto) deixar "cair" a linha, depois de informar ou que não existe tal linha ou que não está disponível na minha área. Como eu já estava preparado, aguardei pacientemente, pedi para chamar o supervisor. A linha caiu, liguei novamente e, finalmente, consegui descobrir que a tal linha Lazer só é oferecida pelo Setor de Cancelamento. Aí, para minha surpresa, fui muito bem atendido e consegui o que queria. Assim, agora farei a maior parte dos meus telefonemas pelo JustVoip e continuarei com a linha fixa a um custo baixo.

Nessa semana também estive no Procon do PoupaTempo central, uma mega estrutura, com uma mega fila e uma mega espera. Mas, tudo isso provou para mim duas coisas: nossos direitos não são respeitados; muitos de nós correm atrás dos direitos. Enfim, é preciso lutar, descobrir e divulgar nossos direitos. Uns lutam. Outros descobrem. Poucos divulgam.

Dicas
O fantástico filme Pequena Miss Sunshine e um breve documentário sobre a vida do criador das Crônicas de Nárnia - C.S.Lewis: O Criador de Nárnia, dirigido por Norman Stone (2005).

Retratos e Reflexos
Com apenas um zoom de 3x tentei registrar o eclipse lunar desta semana (primeira foto: 23h25 e segunda foto: 23h38)

FI(M)DEL CASTRO

A Era Fidel acabou (pelo menos com seu líder maior à frente). E as repercussões são as mais diferentes. Mas, hoje vou me ater às primeiras páginas dos jornais. Nunca tinha reparado, mas o Today Frontpages não apresenta nenhuma capa de jornal cubano. Claro que há uma dificuldade em se encontrar um jornal cubano para exibir. O Granma é o principal jornal de Cuba. E também é o jornal oficial do Partido Comunista... Além do nome e data, no alto há a inscrição: “Año 50 de la Revolución”. Há também a ACN - Agência Cuba de Notícias.
Como não encontrei uma capa de jornal cubano, selecionei algumas interessantes:

The Palm Beach Post (Flórida - USA)
Jornal de Miami, em espanhol, el Nuevo Herald (Flórida - USA)
Manchetes "gêmeas" nos brasileiros Folha e Estado:
Mas, a que mais chamou minha atenção foi a do Diário do Comércio, que leva o título de
Capa da Semana
Para complementar, não deixe de ler a reflexão de Frei Betto: Não é o início do fim do socialismo.

Virtuose

Hoje vamos fazer barulho!!! Afinal, você deve conhecer Lars Johan Yngve Lannerbäck, não é? Nascido em Estocolmo (Suécia), em 1963, Lars é um dos maiores guitarristas vivos, principalmente no quesito virtuose.
Até setembro de 1970, Lars não se interessava muito por música. Tudo começou a mudar quando ele assistiu um especial na TV sobre a morte de Jimi Hendrix e passou a se dedicar aos estudos de guitarra. Aos 10 anos, passou a usar o sobrenome da sua mãe, Malmsteen, e, aos 14, abandonou os estudos e fez da música a sua vida, começando a trabalhar como luthier, criando, inclusive, novos modelos (atualmente é possível adquirir uma Fender® Yngwie Malmsteen Stratocaster®).
Daí para frente, foi só esperar pelo sucesso, já com o nome pelo qual é conhecido até hoje: Yngwie Malmsteen. Nome que está no mesmo patamar de músicos como Steve Vai, Joe Satriani
Além da influência de Jimi Hendrix, Malmsteen curtia Deep Purple. Mas, uma marca nas suas composições vem da influência da música clássica, principalmente Bach, Vivaldi, Beethoven, Mozart e Paganini, talvez por influência de sua irmã, que já era uma grande flautista. Tanto que, em 1997, o guitarrista conseguiu completar um trabalho que intitulou Concerto Suite for Electric Guitar and Orchestra in Eb minor, Op. 1.
Malmsteen esteve em São Paulo no final do ano passado, quando Kadu M. de Oliveira tirou a foto ao lado.
A música que você ouve esta semana no DoxaOnline é o clássico do Deep Purple Child In Time, gravado por Malmsteen no álbum Inspirations (1996). No original, a música tem mais de 10 minutos com um solo antológico de Ritchie Blackmore. Confira uma das versões executadas pelo Deep Purple nos anos 1970:

Googlianas

Até o momento desta postagem, era possível obter o seguinte resultado no Google Imagens para a palavra "barbeiragem":

Agora somos todos anjos...

O mundo será melhor a partir de hoje. Afinal, desde ontem não teremos mais entre nós os "sete pecados"...
Mas, se você - como eu - não assistiu nenhum capítulo da novela global que trouxe às telinhas os sete pecados capitais, pode se interessar pelo livro Os Sete Pecados do Capital. Luxúria, ira, soberba, gula, inveja e cobiça dão lugar ao ecocídio, por Leonardo Boff; ao fetiche, por Maria Rita Kehl; à fome, por Marilene Felinto; ao latifúndio, por João Pedro Stédile; à exploração, por Emir Sader; e à perda do tempo de contemplação, por Alcione Araújo. O único pecado comum às duas listas é a avareza, tratada por Frei Betto e Milton Santos. Quem abre o trabalho é o fantástico Luiz Fernando Veríssimo. O livro saiu pela editora Record.

Retratos & Reflexos
A imagem desta semana é do interior da Galeria do Rock, no centro de São Paulo (próximo ao Largo Paissandú e à estação República do Metrô).

O amor é eterno?

(Quase?) 54 anos de amor...

Um vídeo para celebrar o Valentine's Day (Dia dos Namorados)
comemorado hoje pelo pessoal do hemisfério Norte!
(Fonte: PavaBlog)

Rolam as pedras

Em 19 de novembro de 2006 eu escrevia um pouco sobre a segunda edição brasileira da revista Rolling Stone. Neste mês de fevereiro, a revista chegou à edição número 17, e chega às bancas com uma pequena redução no preço de capa (de R$ 8,90 por R$ 7,40).
A "matriarca" estadunidense foi fundada em 1967, na cidade de San Francisco, por Jann S. Wenner que, inclusive, ainda é seu editor e publisher. No Brasil, há dois publishers: José Roberto Maluf e Miguel Civita.
Não percebi grandes mudanças de 2006 para cá. Naquela edição, havia 130 páginas e agora caiu para 105. E é possível encontrar de tudo. De Ivete Sangalo a NXZero, Gilberto Gil a Manu Chao, dicas de roupas para o seu visual a reportagem sobre o trabalho escravo no Brasil. Ou seja, nada que uma boa garimpada não ajude.

Capa da Semana
Embora todos os jornais da Austrália tenham dado destaque para o documento em que o governo australiano fez, nesta quarta-feira, um pedido oficial de perdão pela "dor, sofrimento e perda" causados aos aborígines, meu destaque vai para o jornal The Courier-Mail.

Depois da intransigência de John Howard (primeiro-ministro australiano entre 1996 e 2007), seu sucessor Kevin Rudd abriu o ano legislativo da Austrália com um ato de coragem, principalmente porque não atendeu ao pedido de especialistas (que temem futuros pedidos de indenizações) e utilizou expressamente a palavra "perdão".
A chamada Geração Roubada soma em torno de 100 mil crianças de tribos nativas aborígenes que, entre os anos de 1910 e 1970, foram retiradas de seuas famílias para serem criadas e "civilizadas" por famílias brancas, como apontou um relatório divulgado 11 anos atrás. A população aborígene, que inicialmente somava mais de 20 milhões de habitantes, atualmente não chega a 500 mil pessoas.
Confira alguns trechos do relatório:
Às mães e aos pais, aos irmãos e às irmãs, pela ruptura de famílias e comunidades, pedimos perdão. Pela indignidade e a degradação de um povo orgulhoso e uma cultura orgulhosa, pedimos perdão.
(...)
Pedimos desculpas pelas leis e políticas de sucessivos parlamentos e governos que infligiram profundas aflições, sofrimento e perda para esses nossos compatriotas australianos.

NO AR

Já está no ar um trecho do programa piloto
produzido pela Confraria Ekklesial.

Acesse o blog Zona da Reforma

Primeiros sons



Embora meu gosto seja eclético (nome bonito para quando queremos dizer indefinido...), tenho uma queda por Jazz, R&B, Blues e afins. Tenho algumas teorias para isso. Uma delas é que meu pai ouvia LPs de big bands. Outra vem das trilhas de desenhos, como a Pantera Cor-de-Rosa, Tom & Jerry e, em especial, Snoopy. Por isso, nessa semana, escolhi uma música de um CD gravado em 1994 pelos grupos do trompetista Wynton Marsalis e de seu pai, Ellis Marsalis, intitulado Joe Cool's Blues, com temas do desenho de Charles Schulz.
O CD apresenta uma faixa com 5 músicas compostas por Vince Guaraldi, para o desenho, e interpretadas pelo Ellis Marsalis Trio. Outras 8 músicas foram compostas por Wynton e executadas pelo Wynton Marsalis Septet. A única música original (de Guaraldi) arranjada por Wynton é a que abre o CD e você ouve esta semana no DoxaOnline, tema dos personagens Linus e Lucy (cujas imagens acima foram obtidas no site da empresa Dark Horse).

Católicos, sim!

Será que você enganou-se? Pensou que este era um blog de "crentes"?!?! Desculpe, se era o que você pensava, realmente está enganado. Somos nove católicos apostólicos. E um destes, romano. Se tem dúvidas sobre os termos, é só pesquisar. Talvez você tenha uma grande surpresa!!!
Embora os demais oito tenham vagado por igrejas protestantes, admiramos muito os pensadores da igreja romana. Nouwen, Chesterton, Betto, Boff e outros mais, fazem parte das nossas leituras e meditações.
Por isso, não se espante com a dica que faremos agora. Convidamos vocês a embarcar, pelo segundo ano, no Desafio da Quaresma, uma interessante iniciativa do confrade Luis Fernando, do blog Check List para viver o Cristianismo hoje.
O desafio é seguir os passos de Jesus até sua ressurreição no domingo da Páscoa como os cristãos mais antigos faziam. O Luis preparou um um cronograma de leitura dos quatro evangelhos durante toda esta quaresma até a Páscoa. Como começou na quinta-feira (06/02), aproveite hoje e amanhã para colocar a leitura em dia. Além do blog, você também poderá participar da comunidade no Orkut.
Outra reflexão sobre a Quaresma está no blog do confrade Volney.

O pecado do Pe. Antonio Vieira

"Muito melhor me conheço eu diante da imagem de um pecado, que diante da imagem de um Cristo crucificado. Quando estou diante da imagem de Cristo crucificado, parece que tenho razões de me ensoberbecer, porque vejo o preço por que Deus me comprou; mas quando me ponho diante da imagem de um pecado, não tenho razões de me humilhar, porque vejo o preço por que eu me vendi. Quando vejo que Deus me compra com todo o seu sangue, não posso deixar de cuidar que sou muito; mas quando vejo que eu me vendo pelas nadas do mundo, não posso deixar de crer que sou nada".
Pe. Antonio Vieira no Sermão do Quarto Domingo do Advento
(Colaboração: Carlos Eduardo Pereira)

Coragem

Durante minhas férias, fiquei impressionado com o filme Batismo de Sangue, dirigido por Helvétio Ratton. A fotografia é muito bonita e a preocupação em retratar fielmente o período da Ditadura proporciona uma viagem no tempo. Graças ao filme, comprei a última edição do livro homônimo, escrito por Frei Betto. Aliás, no sítio Adital, ele dá mais detalhes sobre o que o levou a escrever o livro e como foi feito.
Lembrei-me que, um tempo atrás, o Linha Direta Justiça abordou a questão da morte do Frei Tito, traçando também um perfil do então delegado do DOPS, Sérgio Fleury. Outro dado importante da época é a Operação Bandeirantes.
Mais de vinte anos depois de reconquistada a democracia no Brasil, nossa juventude muitas vezes é acusada de alienada. Não acredito totalmente nisto. Acredito que não só a juventude, como a sociedade em geral, vive uma crise de egoísmo. Pensamos no melhor emprego, para ganharmos mais e podermos comprar a nova TV Digital, um home theatre igual ao do vizinho, um carro igual ao que o Kiefer "Jack Bauer" Sutherland dirige nos comerciais.
Hoje, pensa-se que não temos pelo o que lutar, a não ser por mais conforto, comodidade e luxo. Mas, ao caminhar pelas ruas de São Paulo, cada vez mais as esquinas estão repletas de crianças e adolescentes maltrapilhos pedindo um trocado. Os albergues, lotados. Homens e mulheres dormem nas ruas.
Precisamos de jovens e adultos com a coragem dos dominicanos, dos estudantes, dos religiosos que nos anos 60, 70 e 80 lutaram e chegaram até a perder suas vidas em nome de uma causa. Mais do que uma causa política, uma causa de liberdade social, de expressão do pensamento, de direitos humanos. Parte desta luta foi vencida. Mas ainda há muito pelo que lutar.

Retratos & Reflexos
Selecionei para esta semana uma foto que tirei na parte da frente da Catedral da Sé (SP). O detalhe mostra quatro estátuas, esculpidas do lado esquerdo do pórtico central, que representam quatro profetas: Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel. O projeto original foi elaborado em 1912 pelo arquiteto Maximiliano Hehl e a catedral foi reaberta em setembro de 2002, depois de três anos de reformas e restauros.

1 + 1 = ?

Já adianto que não sou muito fã de matemática. Mas, desde o Natal, tenho ficado incomodado com alguns dados estatísticos que são veiculados pela imprensa. Agora, no Carnaval, novamente foi verificado um aumento no número de mortes em acidentes das estradas.
Porém, gostaria da ajuda de alguém da área de estatística e afins pois, no meu modo leigo de pensar a conta não é tão simples. Não basta somar as mortes de 2007 e verificar a diferença em relação às de 2008. No meu ponto-de-vista, é necessário calcular alguns itens nesta conta como, o número de motoristas habilitados e da frota de veículos.

Por exemplo, em relação à estimativa na frota de veículos:
Automóveis
1990 11.025.586
1997 15.394.715
2001 16.021.000
Comerciais leves
1990 1.583.465
1997 2.266.088
2001 2.511.000
Caminhões
1990 1.095.409
1997 1.068.641
2001 1.243.000
Ônibus
1990 160.471
1997 212.895
2001 319.000
Comparando-se o total de 1990 ( 13.864.931) e o de 2001 (20.093.000), é possível verificar que a frota cresceu 6.228.069, ou seja mais de seis milhões de veículos em dez anos.

Dados da DERSA, que gerencia parte das rodovias de São Paulo (maior frota do país), revelam que nas rodovias Ayrton Senna, Carvalho Pinto e Dom Pedro I, houve um crescimento no volume de tráfego na ordem de 3,64%, entre 2005 e 2006. No mesmo período houve um crescimento no número de acidentes sem Vítimas (9,13%); acidentes com vítimas (8,05%); número de feridos (13,09%); e caiu o número de mortes, em -1,28%.
Em 1996, o volume de tráfego nas praças de pedágios pela DERSA era de 16.888.410 veículos. Dez anos depois, em 2006, chegou a 25.353.035.

O site SOS Estradas traz várias tabelas e dados estatísticos sobre o assunto. Um deles, baseado em dados da Polícia Rodoviária Federal, apresenta um quadro dos acidentes em rodovias federais entre 2001 e 2003:
2001
Total de acidentes 102.576
Total de feridos 58.107
Total de mortos 5.710
2002
Total de acidentes 108.881
Total de feridos 60.909
Total de mortos 6.312
2003
Total de acidentes 104.863
Total de feridos 60.326
Total de mortos 5.780
Os números revelam uma grande oscilação. Crescimento entre 2001 e 2002 e diminuição em 2003.

A partir daí, verifica-se que há muitos dados disponíveis. A grande sacada é como eles serão interpretados. Ainda não vi nenhum jornal (impresso ou falado) apresentar um comparativo do crescimento da frota de veículos - ou do número de motoristas habilitados - em relação ao número de acidentes e de mortes. Acredito que aí sim teríamos dados melhor interpretados, uma vez que o crescimento no número de veículos é muito grande e provavelmente o número de acidentes e mortes não acompanhe a mesma proporção (seja menor). Quem entender de matemática ou estatística, me ajude. Porque parece que a mídia só sabe fazer contas para a probabilidade de ficar milionário na Loteca (chamem o matemático Oswald de Souza!!!).

Em tempo
Não preciso ter muito conhecimento sobre estatística para constatar que nesta semana chegaremos aos cinco dígitos no número de visitantes ao blog. Dez mil visitas é um número modesto, mas que me deixa muito satisfeito e estimulado a continuar a refletir, opinar e escrever por aqui. Obrigado pela preferência!

Capa da Semana
Queria colocar na capa desta semana um jornal irlandês, em virtude do amistoso da selação brasileira contra a Irlanda nesta quarta-feira. Porém, não sei se foi a derrota ou a importância que deram ao jogo, mas os principais jornais não deram destaque para a partida na primeira página. Alguns comentários do jornalista Vincent Hogan, do Irish Independent, deram alguma repercussão por aqui, como afirma o site Gazeta Esportiva.net.
Na falta de um jornal irlandês, a capa desta semana foi para o britânico The Guardian, pela foto do pré-candidato à presidência dos EUA, Barak Obama, que - pelo menos por enquanto - está rindo à toa:

Romantismo

A voz é grave. O talento musical indiscutível. A canadense Diana Krall (Foto: James O'Mara) é tímida e direta - que o diga Jô Soares, quando a entrevistou. Nascida em uma família de músicos, iniciou os estudos de piano aos 4 anos. Já no colegial tocava em uma banda de jazz.
Seu talento a levou para a Berklee College Of Music em Boston, Massachusetts, onde ganhou uma bolsa de estudos. O sucesso começou na década de 1990, depois de uma temporada em Nova York.
Durante uma turnê mundial, em 2001, realizou a primeira gravação ao vivo, durante o show em Paris. O CD deste show traz uma versão para o clássico de Billy Joel, Just The Way You Are, música que você curte essa semana no DoxaOnline. Essa música, de 1977, ganhou o prêmio de Canção do Ano, em 1978.
Em 2003, Diana casou-se com o músico Elvis Costello, com quem teve filhos gêmeos em 2006.

Original
Confira esta inusitada versão da música, gravada por Billy Joel em um episódio de Vila Sésamo:

Outras versões: Aqui uma performance ao vivo com Billy Joel (mais parecida com a gravada por Diana Krall) e o clip da versão de Diana.

Just The Way You Are

Don't go changing, to try and please me
You never let me down before
Don't imagine you're too familiar
And I don't see you anymore

I wouldn't leave you in times of trouble
We never could have come this far
I took the good times, I'll take the bad times
I'll take you just the way you are

Don't go trying some new fashion
Don't change the color of your hair
You always have my unspoken passion
Although I might not seem to care

I don't want clever conversation
I never want to work that hard
I just want someone that I can talk to
I want you just the way you are.

I need to know that you will always be
The same old someone that I knew
What will it take till you believe in me
The way that I believe in you.

I said I love you and that's forever
And this I promise from the heart
I could not love you any better
I love you just the way you are.

Do jeito que você é
Tradução livre: Fábio Davidson

Não tente mudar, pra tentar me agradar
Você nunca me decepcionou
Não imagine você tão comum
E que nunca mais vou te notar

Nunca te abandonei nos momentos difíceis
Nós nunca chegamos a esse ponto
Lembro dos bons tempos, esquecerei os ruins
Aceito você do jeito que você é

Não tente uma nova moda
Nem mude a cor do seu cabelo
Você sempre foi minha paixão escondida
Embora parecesse que eu não me importasse

Não quero conversas inteligentes
Eu nunca procurei me esforçar
só quero alguém para conversar
Quero você do jeito que você é

Preciso saber que sempre será
A mesma que conheci
O que preciso fazer para você acreditar em mim?
Do jeito que eu acredito em você

Eu disse que te amo e isso é para sempre
Eu prometo do fundo do meu coração
Não posso te amar melhor
Amo você exatamente do jeito que você é

Dicas
1. Se você ouve a rádio Eldorado, deve conhecer o programa Jazzmasters, que traz ótimas músicas e novidades, sob comando de Paulo Mai e Sérgio Scarpelli. Quem é cadastrado no site Jazzmasters, tem até o dia 13/02 para concorrer a dois pares de ingressos para o show da banda no Via Funchal, dia 15 de fevereiro.

2. Nos bons tempos da rádio Brasil 2000, era inesquecível a participação do Homem Enciclopédia, apelido de Roberto Maia (saiba mais), que fazia parceria com o Tatola. O cara é uma enciclopédia viva do rock. Dizem que já tem mais de 50 mil álbuns (LPs e CDs). E agora, depois de muito tempo, volta a ativa através da Internet, com o Momento Maia PodCast.

Patrimônio

Particularmente, gosto muito do centro das grandes cidades. São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba. As marcas do desenvolvimento e do esquecimento geralmente convivem lado-a-lado. Minhas primeiras lembranças do centro paulista são de meados dos anos 1970. Antes de eu nascer, minha vó morava na avenida Cásper Líbero. Aliás, descobri que esta avenida chamava-se rua Triste (porque dava no Cemitério da Luz) e depois passou para rua Conceição quando, em 1939, ali foi inagurado o Palácio da Imprensa, sede do jornal A Gazeta. Segundo a Fundação Cásper Líbero, aquele "foi o primeiro prédio construído no Brasil com todas as características apropriadas para redação, gravura, composição, impressão e distribuição de um jornal".
Na época do meu nascimento, minha vó já havia mudado para a rua paralela à antiga rua Triste, que, antes de receber o nome de Brigadeiro Tobias, chamava-se rua Alegre. O apartamento - onde ela mora até hoje - tem vista para avenida Tiradentes. Dali, assisti às diversas transformações da avenida, do vale do Anhangabaú e do entorno. Lembro-me quando, todo dia 7 de setembro, próximo ao batalhão da ROTA, a avenida era fechada e eram montadas arquibancadas para assistir o desfile do Dia da Pátria. Anualmente lá estava eu, empunhando uma bandeirinha brasileira. Também era dia de colocar uma fita verde e amarela no carro.
Hoje, o vale do Anhangabaú está sobre um túnel. Aliás, lembro do chamado "Buraco do Adhemar", uma passagem de nível que em 1995 virou Passagem Subterrânea Tom Jobim e passa embaixo da avenida Senador Queiroz. E, em 1990 foram terminadas as obras do Túnel Vale do Anhangabaú (0,5 Km). E pensar que no século XVII, as águas do Anhangabaú eram usadas para tomar banho e também lavar roupas. Águas hoje canalizadas, mas cujas nascentes estão ao ar livre, entre a Vila Mariana e o Paraíso, e desaguam no rio Tamanduateí. Confira algumas fotos antigas da região:

Fotos: Skyscrapercity, Werner Haberkorn, "Retrato do Brasil"
(editada em 1968, com fotos raras dos anos 60) e
"Passagem Anhangabaú" (pintura, 1982, Gregório Gruber)


Bom, o que me levou a essa viagem ao passado foi a reinauguração da agência central dos Correios, nesta semana. Era outro dos lugares que eu freqüentei na minha infância, no centro de São Paulo.
O prédio foi inaugurado em 1922, durante as comemorações do Centenário da Independência, no Vale do Anhangabaú. O projeto foi encomendado ao escritório do arquiteto Ramos de Azevedo e executado por Domiziano Rossi. Após sua morte, a obra foi finalizada por Felisberto Ranzini. Graças ao prédio, até hoje a Praça Pedro Lessa é mais conhecida como "Praça do Correio".
O escritório Una Arquitetos venceu o Concurso Nacional de Arquitetura com um projeto de restauração do edifício e as reformas (foto minha em 2005 - ao lado) começaram em novembro de 2004, consumindo R$ 19 milhões e agora, o térreo do edifício abrigará a maior agência do Brasil, com quase cinco mil metros quadrados. No mezanino funcionará a Assessoria Filatélica. Já o prometido Centro Cultural, com salas de teatro, cinema, exposições e eventos ainda não foi concretizado. A previsão para a segunda etapa do projeto é de um custo de mais de R$ 40 milhões. Durante a execução da obra, surgiram algumas denúncias de irregularidades.

Retratos & Reflexos
Amanhã acaba a exposição Yoko Ono – Uma Retrospectiva, que apresenta uma coletânea de trabalhos desde o início da sua carreira, nos anos 50, até os dias de hoje. Foi lá que tirei uma foto da instalação Half-A-Room, a primeira que foi financiada por John Lennon, depois que, em 1966, ele se surpreendeu com Ceiling Painting, uma instalação com uma escada que leva o visitante até um vidro no teto, onde há com uma lupa é possível ler a palavra "Yes!".
Half-A-Room traz um quarto de casal completamente branco, com a mobília, também branca, cortada ao meio. Segundo Ono, a inspiração veio da sensação de "estar pela metade" em um dia que ela acordou e notou que Anthony Cox, seu (agora ex-)marido, não estava lá.
A exposição vai até amanhã, das 9h às 20h, no Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112 - Centro - São Paulo. Entrada gratuita. Informações: (11) 3113-3651 / 3113-3652.
Google