.

Pausa para manutenção

Devido a problemas de ordem pessoal, o DoxaBrasil ficará sem atualização por um tempo.
Obrigado pela compreensão.

1/2 cristão

Então não dá para ser cristão "sem igreja". Cristão "sem igreja" é "semi-cristão" - Volney Faustini

Não há montanha alta o suficiente

Particularmente não gosto de filmes dramáticos. Mas, alguns são incríveis. Lembrei da música Ain't no Mountain High Enough (Nickolas Ashford e Valerie Simpson ) ao assistir o fantástico filme Lado a Lado (Stepmom), com uma grande performance de Susan Sarandon, além de Julia Roberts e Ed Harris.
Várias versões da música foram gravadas ao longo dos anos, mas a do filme é uma das melhores, interpretada por Marvin Gaye e Tammi Terrell, em um single de 1967. Achei um clipe no YouTube:

Capa da Semana (13)

 Capa de Um fio de Esperança, de Nancy Guthrie

As várias faces de um crime

O fato é um só: advogado é baleado. Mas, um crime pode assumir diversas versões, dependendo do órgão de imprensa que o divulga. Uma hora, o bairro pode ser Campos Elíseos, outra é Centro. Uma hora é zona central, em outra hora, pode virar Zona Oeste e até Zona Sul!!! A forma como a notícia é divulgada também revela o tipo de jornalismo que se opta por fazer, principalmente em relação ao grau de apuração dos detalhes.
Aqui vai um exemplo de um fato que ocorreu - coincidentemente - em frente ao prédio onde minha avó reside, na segunda-feira, 07 de julho. (Nota: O bairro, segundo os Correios, é Centro - embora também seja chamado de Santa Efigênia. É próximo, mas não é Campos Elíseos. E fica na região Central, não Oeste).
Algumas formas como foi noticiado (cronologicamente) no dia seguinte:

08/07/2008 - 11h40
Polícia (Portal Terra)
SP: advogado é perseguido e baleado no Centro

Um advogado foi perseguido e baleado ontem por volta das 16h40 enquanto caminhava na rua Brigadeiro Tobias, na altura do número 263, região central de São Paulo.

Segundo a polícia, um Ford Fiesta, com dois homens, parou bruscamente ao lado do advogado. Um dos homens teria descido e se identificado como policial. Eles teriam iniciado uma luta corporal e o advogado teria conseguido escapar, fugindo para um estacionamento próximo.

O homem que havia se identificado como policial teria disparado vários tiros contra o advogado, na frente de uma testemunha. O suspeito teria voltado para o carro e fugido.

A vítima foi levada ao Pronto Socorro da Santa Casa. Não há informação sobre o estado de saúde dela.

A polícia encontrou cápsulas de munições e três aparelhos celulares no local. A esposa do advogado informou que dois deles eram do advogado, o terceiro não.
O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
08/07/2008 - 19h19
Advogado é baleado na Zona Oeste de São Paulo

Crime foi filmado por câmeras de circuito interno de condomínio.
Advogado está internado em estado grave e corre risco de morte.
Do G1, com informações do SPTV

Um advogado foi cercado por homens armados, perseguido e baleado em uma rua do bairro Campos Elíseos, na região central de São Paulo.

Imagens gravadas pelo circuito interno de um condomínio mostram a movimentação no local do crime. Um carro pára na porta de um estacionamento. Logo depois, há uma correria.

O advogado Paulo Deivis de Queiroz, de 43 anos, foi ferido depois de ser perseguido por dois homens que se apresentaram como policiais e o abordaram na rua. Segundo funcionários do estacionamento, o advogado não estava com o carro parado no local. Ele entrou apenas para fugir durante a perseguição. Atrás dele, veio um outro homem armado. O advogado foi baleado e ainda chegou a caminhar alguns metros, mas caiu ferido.

Um funcionário que não quis se identificar foi quem chamou por socorro. “Aconteceu muito rápido e o manobrista, na verdade, só viu o vulto e os tiros”, disse. Uma moradora da região, que também não quis se identificar, disse que presenciou o crime e que foi tudo muito rápido.

Após os disparos, os atiradores fugiram. O advogado está internado em estado grave na Santa Casa, na Zona Oeste de São Paulo. Ele está inconsciente e ainda corre risco de morte. A polícia ainda tenta esclarecer o crime.


08/07/2008 - SPTV 2ª Edição
Crime misterioso
Um advogado foi cercado por homens armados na rua, perseguido e baleado em Campos Eliseos, na capital.

Imagens gravadas pelo circuito interno de um condomínio mostram a movimentação no local do crime. Na parte superior do vídeo, um carro para na porta de um estacionamento. Logo depois há uma correria.

O estacionamento é este e a correria foi provocada por uma tentativa de homicídio. O advogado Paulo Deivis de Queiroz, de 43 anos, foi ferido depois de ser perseguido por dois homens que se apresentaram como policiais e o abordaram na rua.

Segundo funcionários do estacionamento, o advogado não estava com o carro parado. Ele entrou apenas para fugir durante a perseguição. Atrás dele veio um outro homem armado. Quando chegou em um canto, o advogado foi baleado. Ele caminhou por mais alguns metros e em um ponto caiu ferido.

Um funcionário do estacionamento foi quem chamou por socorro. “Aconteceu muito rápido e um manobrista, na verdade, só viu os vultos e o tiro”, conta ele.

Uma moradora da região, que também não quer se identificar, presenciou o crime. “É muito rápido isso. Parecia filme. Aí veio e pá, deu tiro nele assim”, diz ela.

Os atiradores fugiram. O advogado está internado na santa casa em estado grave. A polícia ainda tenta esclarecer o crime.

O advogado está inconsciente e ainda corre risco de morte.

08/07/2008 - 19h39
Advogado é baleado em Campos Elíseos
Plantão - O Globo Online

SÃO PAULO - Um advogado foi baleado em Campos Elíseos, zona sul de São Paulo, nesta terça-feira. Paulo Davis de Queiroz, de 43 anos, foi abordado na rua por dois homens que se apresentaram como policiais. Ele ainda tentou escapar e correu para um estacionamento, mas acabou sendo atingido. As imagens foram gravadas pelo circuito interno de um condomínio. Segundo testemunhas, tudo foi muito rápido. O advogado está internado em estado grave na Santa Casa e ainda corre risco de morte. 

08/07/2008 - 20h47

Homem atira contra advogado no centro de São Paulo
da Folha Online

Um advogado foi baleado no final da tarde de ontem quando andava pela rua Brigadeiro Tobias, no centro de São Paulo. Ninguém foi preso.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, o advogado andava quando um Ford Fiesta preto freou bruscamente diante dele. Testemunhas afirmaram que um homem desceu do carro, se identificou como policial e começou a brigar com o advogado. Os dois, conforme as testemunhas, começaram a lutar, e o homem tentou colocar o advogado no Fiesta.

O advogado conseguiu fugir correndo para dentro de um estacionamento, mas acabou sendo alcançado e baleado diversas vezes pelo homem. O atirador, então, voltou ao Fiesta --onde o comparsa o aguardava-- e escapou. O advogado foi levado à Santa Casa. Não há dados atualizados sobre o estado de saúde dele.

No local do crime foram apreendidas cápsulas dos disparos e três celulares --dos quais dois pertencem ao advogado. O caso é investigado.
Importante
Pelas minhas pesquisas - via Internet - nos dias posteriores nada mais foi noticiado sobre o assunto, seja em relação ao estado de saúde do advogado, seja sobre o andamento das investigações.

Retratos & Reflexos (13)

Mais uma foto do Museu da Língua Portuguesa (SP).
Essa foi tirada depois de assistir uma projeção no auditório,
em uma parede na saída da Praça da Língua.
Fotos: © Fábio Davidson

Humor de 1ª na Segunda (13)

Alternativas para a Lei Seca...

Pedras rolando

Hoje é o Dia Mundial do Rock (escrevi sobre o motivo, no ano passado). Por isso, resolvi adiantar a troca de músicas da próxima terça-feira. E, nada mais justo do que, nesta semana, rolar no DoxaOnline uma das melhores bandas de rock - na minha opinião, pelo menos - de todos os tempos.
Este trio canadense tem uma das formações mais estáveis. Desde 29 de julho de 1974 Geddy Lee (vocal, baixo e teclados), Alex Lifeson (guitarra) e Neil Peart (bateria) se reuniram para a terceira e última formação do Rush. Ou seja, este ano eles completam 34 anos de parceria.
Fundamentada no rock progressivo, a banda nasceu em setembro de 1968, na cidade canadense de Ontario, com Jeff Jones (vocal e baixo), John Rutsey (bateria) e Alex Zivojinovich (guitarra), que adotou o nome artístico Alex Lifeson. A carreira de Jones durou pouco e, ainda em 1968, foi substituído por Gary Lee Weinrib - mais conhecido como Geddy Lee.
O primeiro álbum, ainda independente, saiu em 1974. No encarte do álbum Chronicles, afirma-se que as influências da banda nessa época eram "o blues britânico dos Yardbirds e do Cream e o protótipo de heavy metal do Who e Led Zeppelin".
O grupo planejou uma turnê e, logo no início, divergências tiraram Rutsey da banda. Em 29 de julho - aniversário de Geddy Lee -  Neil Peart completou o trio, duas semanas antes do primeiro show, trazendo influências das bandas Pink Floyd e King Crimson. Além de ser considerado um dos melhores bateristas do mundo, com vários prêmios conquistados, Peart também tornou os arranjos muito mais complexos e começou  a participar na elaboração das letras das músicas do Rush, o que já pôde ser percebido no segundo trabalho do grupo, Fly by Night, lançado em 1975.
Para esta semana, escolhi a música The Trees, do álbum Hemispheres, lançado em 1978.
Se você já curtia - ou passou a curtir - o som da banda, confira tanbém o trabalho do grupo cover brasileiro Rush Project.

Na tela
Não me contive e selecionei duas performances fantásticas da banda, em um show da banda aqui no Brasil, em 2002, que foi lançado em CD e DVD. As duas músicas que escolhi são do álbum Moving Pictures (1981). A primeira é a instrumental YYZ:

Amplamente divulgada na abertura brasileira do seriado Profissão: Perigo - que eternizou o personagem MacGyver - a música Tom Sawyer possui uma linha bateria simplesmente fantástica, onde é possível ouvir nitidamente a partitura da bateria "conversando" com o contrabaixo:

Só por curiosidade, confira a trilha de abertura original (composta por Randy Edelman). Parece que, desta vez, milagrosamente a Rede Globo fez uma excelente troca que teve tudo a ver...

Dica
Em comemoração ao Dia Mundial do Rock, o Centro Cultural São Paulo programou uma série de shows gratuitos neste mês. O primeiro, nesta madrugada, foi Lobão. Hoje, às 18h, é a vez da banda gaúcha Cachorro Grande. No próximo sábado, é a vez do Ultraje a Rigor, às 19h. Confira no site a programação do Projeto Sintonia do Rock.

E se você tem curiosidade de conhecer os bastidores de uma emissora de rádio, hoje é a sua chance. Das 9h às 18h  a Kiss FM comemora também seu aniversário e vai abrir as portas para os ouvintes. O endereço é: Avenida Paulista 2.200 – 15ºandar - São Paulo (próximo à estação Consolação do Metrô).

Confira as melhores - e piores - músicas do rock, na opinião do jornalista Régis Tadeu, pelo Yahoo!, as programações musicais especiais do portal UOL e um histórico do ritmo, pelo jornalista Silvio Anaz, em HowStuffWorks.

Enquete
Até o final do mês vai rolar uma enquete para conhecer melhor o perfil do leitor do DoxaBrasil. É simples e rápido. Basta indicar qual rádio que você mais ouve (modalidade FM, em São Paulo). Obrigado pela participação!

Auto-propaganda

Últimas matérias e artigos meus publicados:

- Puro. E simples (Revista Ave Maria - Edição de julho)

- O Deus do deus da guitarra (Sítio Cristianismo Criativo)

- O elevador que é uma viagem (Revista Viagem e Turismo - Edição de maio)

Igreja e "igrejas"

Sai capeta!
"Evangélicos exorcizam pessoas na rua da Consolação, próximo a igreja católica, em São Paulo"
Legenda da foto de Fernando Donasci (Folha Imagem)
Confira em Imagens do Dia, no Portal UOL.


E, já que mencionamos o personagem, lembrei que hoje é o Dia Mundial do Rock. Então, aproveite para ler um histórico do ritmo, pelo jornalista Silvio Anaz, em HowStuffWorks, que tenta descobrir quem é o verdadeiro pai do Rock (será mesmo o diabo?!?!?).

Relacionado ao assunto, leia também:
- O Deus do deus da guitarra;
- Abbey Road, Clube da Esquina e outras influências (por Nelson Bomilcar);
- De missões para missional (por Sandro Baggio);
- Uma breve história do Refúgio do Rock;
- Rock pesado conquista seu espaço nas igreja.

Você pode até me chamar de "tendencioso", só com textos a favor do rock, mas é só você digitar "rock é do diabo" no Google que vai encontrar dezena de artigos demonizando o ritmo pelos mais diferentes motivos...

Depois de ler e refletir, responda a nossa enquete (e deixe seu comentário)
O rock é do diabo???

Dica
- Leia Cartas de um diabo a seu aprendiz, de C. S. Lewis (reeditado pela Martins Fontes);
- Assista a hilária série Reaper (sexta-feira, às 21h, no Universal Channel), que apresenta um rapaz de 21 anos que descobre que seus pais venderam sua alma e agora ele precisa trabalhar para o diabo, coletando almas que fugiram do inferno... No primeiro episódio (a série está na primeira temporada) o Diabo fala porque quer recuperar os "fugitivos": "Eu sei que vou perder no final....". Também fala que "o inferno está cheio e, como não dá para confiar em quem está lá dentro, de vez em quando alguém foge..." e, no episódio exibido na última sexta-feira, culpa seus auxiliares "de colarinho branco"!!!


Igreja e Graça
Com a palavra, Philip Yancey:
(Fonte: Comunidade Philip Yancey no Orkut)

Com a palavra, C. S. Lewis:
Este mês, em minha coluna mensal na revista Ave Maria, escrevi sobre o autor de Crônicas de Nárnia, Cartas de um diabo a seu aprendiz e Cristianismo Puro e Simples, entre outras fantásticas obras. Confira e comente.
A Igreja existe (...) só para levar homens a Cristo e fazer deles pequenos Cristos. Se isto não acontece, todas as catedrais, clérigos, missões, sermões e a própria Bíblia são pura perda de tempo. Deus não se fez homem para outro fim. (C. S. Lewis, in Cristianismo Puro e Simples)

Estatísticas

Lei Seca faz atendimento cair 55% nos hospitais de SP
Terça-feira, 08 de Julho de 2008

Desde a implantação da lei seca, que pune com multas pesadas e até detenção quem dirigir após ingerir bebidas alcoólicas, o atendimento a vítimas de acidentes de trânsito caiu 55% na cidade de São Paulo. É o que aponta levantamento da Secretaria de Estado da Saúde com base em dados dos três principais hospitais estaduais referência em trauma.

No primeiro final de semana de vigência da nova legislação, penúltimo do mês de junho, esses hospitais realizaram 114 atendimentos a vítimas de acidentes, contra 51 registrados nos dias 4, 5 e 6 de julho. No fim de semana dos dias 27 a 29 foram 92 atendimentos.

No Hospital Estadual do Mandaqui, principal e emergência da zona norte, foram atendidos no último final de semana 15 pacientes, contra 42 no anterior e 45 entre os dias 20 e 22 de junho. Já o Hospital Regional Sul, em Santo Amaro, zona sul da cidade, atendeu apenas nove vítimas de acidentes neste fim de semana, contra 26 no anterior e 36 no penúltimo final de semana de junho.

Já o Hospital das Clínicas atendeu 27 pacientes entre os dias 4 e 6 de julho. O número é superior aos 24 atendimentos do final de semana anterior, mas ainda inferior aos 33 registrados entre os dias 20 e 22 de junho. Nos dias 13 a 15 de junho o HC havia atendido 38 pessoas por acidente.“Os paulistanos começam a respeitar cada vez mais a nova lei, e a conseqüência é a diminuição dos atendimentos nos hospitais.

Os dados indicam que de fato a ingestão de álcool era fator preponderante para os acidentes de trânsito, principalmente os ocorridos nos finais de semana”, afirma o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata.

Secretaria da Saúde
Copyright © 2008 Governo do Estado de São Paulo

Grandes iniciativas

Se a sua desculpa para não ler um livro é a falta de dinheiro ou de tempo para ir até uma biblioteca, basta uma conexão a Internet para ter boas opções de pesquisa. Aqui vão algumas delas:

- Domínio Público: É uma biblioteca digital cujo acervo de mais de 85 mil obras "é composto, em sua grande maioria, por obras que se encontram em domínio público ou obras que contam com a devida licença por parte dos titulares dos direitos autorais pendentes".

- Biblioteca Virtual do Governo do Estado de SP: é um serviço eletrônico gratuito de informação. Além dos conteúdos e dicas existentes, há um canal de atendimento para atender as solicitações enviadas pelo formulário Fale Conosco e encomendar gratuitamente pesquisas "sobre qualquer assunto e para qualquer finalidade".

- Biblioteca Virtual do Estudante de Língua Portuguesa: estudantes e professores desde o ensino infantil até o universitário tem um espaço para pesquisa. Possui "centenas de obras de literatura brasileira e estrangeira, a coleção dos livros do Telecurso 2000, livros falados da Fundação Dorina Nowill, documentários em vídeo, vozes de personalidades da história, artigos sobre Educação e parte do acervo permanente do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. Recentemente foi incorporado o projeto Gutenberg, que é conhecido mundialmente por ter sido um dos primeiros a disponibilizar textos eletrônicos gratuitos para download na Internet e por reunir clássicos da literatura em suas línguas originais. Atualmente, o projeto possui cerca de 10.000 obras disponíveis".

- Biblio: Biblioteca Virtual de Literatura: Obras que se encontram em domínio público.

Repercussão

A Lei sobre crimes virtuais tem dado o que falar. E o abaixo-assinado virtual, ajudado a provocar a discussão. Confira no blog de Renato Cruz, do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais uma capa da semana

Ainda sobre os mísseis do Irã, o jornal O Estado de S. Paulo trouxe na capa a notícia de uma possível fraude na foto divulgada para as agências internacionais, onde teria sido incluído digitalmente um quarto míssil, que teria falhado no lançamento.

No detalhe:

Capa(s) da Semana (12)

Como alguns jornais dos EUA reagiram (de forma alarmante ou discreta) aos testes de mísseis no Irã:
  
  
  
 

Só rindo

Como jornalista geralmente é um ser bem-humorado, neste pós-feriado vamos dar uma pausa nos assuntos sérios, para nos divertir um pouco.

MANDAMENTOS DOS JORNALISTAS

1º) Não terás vida pessoal, familiar ou sentimental. E qualquer desculpa para falta ou atraso usando estes argumentos será encarada com má vontade pela chefia imediata.
2º) Não verás teus filhos crescerem.
3º) Não terás feriado, fins de semana ou qualquer outro tipo de folga.
4º) Terás gastrite, se tiveres sorte. Se for como os demais, terás úlcera, pressão alta, princípios de enfarte, estresse em alto nível.
5º) A pressa será tua única amiga e as suas refeições principais serão os lanches da padaria da esquina, as pizzas no pescoção ou uma coxinha comprada perto do local onde se desenvolve sua reportagem.
6º) Teus cabelos ficarão brancos antes do tempo, isso se te sobrarem cabelos.
7º) Tua sanidade mental será posta em cheque antes que completes 5 anos de trabalho.
8º) Ganharás muito pouco, não terás promoção, não terás perspectiva de melhoria e não receberás elogios nem de seus superiores e nem de seus leitores. Em compensação as cobranças serão duras, cruéis e implacáveis.
9º) Trabalho será teu assunto preferido, talvez o único.
10º) A máquina de café será a tua melhor colega de trabalho, porém, a cafeína não te fará mais efeito.
11º) Os botecos nas madrugadas serão excelentes oportunidades de ter algum tipo de contato com outras pessoas loucas como você.
12º) Terás sonhos com horários de fechamento, com palavras escritas erradas, com reclamações de leitores, com matérias intermináveis, com gritos ao telefone dos chefes de reportagem e, não raro, isso acontecerá mesmo durante o período de férias.
13º) Suas olheiras e seu mau humor serão seus troféus de guerra.
14º) E, o pior... Inexplicavelmente existirá uma legião de "focas" brigando para ocupar o seu lugar.
15º) Confiarás desconfiando de tudo que veres e tudo que ouvires.
16º) Por mais que faças a melhor matéria do mundo, se não assinares o ponto na empresa, para todos os efeitos não existirás.
17º) Se repórter de TV, cuides de tua aparência; se repórter de rádio, cuide de sua voz; e se repórter de jornal, cuide de sua artrite reumatóide nos dedos.
18º) Não te cases com um (a) colega de profissão: afinal, o assunto em casa sempre vai ser o mesmo. E jornalismo é que nem sexo: se não variares, perdes a vaga.
19º - E MELHOR) És jornalista: portanto, não desistas nunca. Tomarás chá de banco, levarás furo, darás "barrigas", sempre terás puxas-saco te elogiando e corneteiros te criticando. Mas, se tiveres bom senso (caso raro) encontrarás alguém que te elogiará e te criticará na hora e na medida certa.

Retratos & Reflexos (12)

Interatividade é o forte do Museu da Língua Portuguesa (SP).
Fui lá na semana passada e meus filhos curtiram a parte virtual
(a sombra das mãos, na primeira foto, é deles...
no Beco das Palavras, criação de Marcelo Tas)
Fotos: © Fábio Davidson

Tá na conta?

Próximo dia 15/07 a Receita vai transferir os valores de mais um lote de restituição do Imposto de Renda. Já foi liberada a consulta. Confira se você é um dos contemplados!

Trio Parada Dura

 PF prende Daniel Dantas, Celso Pitta e Naji Nahas
SÃO PAULO (Reuters) - A Polícia Federal informou nesta terça-feira que prendeu o banqueiro Daniel Dantas, dono do Banco Opportunity.
Um porta-voz da Polícia Federal em São Paulo informou que o banqueiro foi preso no Rio de Janeiro, em uma operação relacionada ao escândalo do mensalão.
O ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o empresário Naji Nahas também foram detidos na mesma operação da PF, para a qual foram expedidos 24 mandatos de prisão e 56 de busca em quatro Estados. (Fonte: Yahoo! Notícias)

Fábrica


Nosso dia vai chegar,
Teremos nossa vez.
Não é pedir demais:
Quero justiça,
Quero trabalhar em paz.
Não é muito o que lhe peço -
Eu quero um trabalho honesto
Em vez de escravidão.

Deve haver algum lugar
Onde o mais forte
Não consegue escravizar
Quem não tem chance.

De onde vem a indiferença
Temperada a ferro e fogo?
Quem guarda os portões da fábrica?

O céu já foi azul, mas agora é cinza
O que era verde aqui já não existe mais.
Quem me dera acreditar
Que não acontece nada de tanto brincar com fogo,
Que venha o fogo então.

Esse ar deixou minha vista cansada,
Nada demais.
Estava procurando uma música que retratasse um pouco da desilusão com a injustiça que vemos no dia-a-dia e, infelizmente, ao invés de protestarmos, nos acostumamos e fingimos que não vemos. Lembrei de João Alexandre, mas verifiquei que em agosto do ano passado já tinha colocado no DoxaOnline a música que pretendia postar hoje (se falamos reveja, será certo falar "reouça"???).
Aí, vasculhando os CD's, achei esta música da Legião Urbana, banda que atuou nas décadas de 1980 e 1990, chegando ao fim em 11 de outubro de 1996, quando faleceu seu líder e vocalista, o emblemático Renato Russo.
Legião Urbana nasceu no centro do poder, Brasília. Formada em 1982, após o desmembramento do Aborto Elétrico, grupo punk que também deu origem à banda Capital Inicial. Além de Renato Russo, o trio base da Legião era formado por Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá.
Uma coisa que nunca havia percebido foi que em quase todos os encartes dos trabalhos da banda há a frase em latim Urbana Legio omnia vincit (Legião Urbana a tudo vence), uma adaptação feita por Renato ao mote Romana legio omnia vincit (Legião romana a tudo vence), proferida por Júlio César e que virou o lema da banda.
A música de hoje - Fábrica - é faixa do segundo álbum da banda, Dois, lançado em 1986. Pode não ser o melhor disco da banda, mas é o meu preferido. No baixo, o "quarto Mosqueteiro", Renato Rocha (um dos compositores de Quase sem querer, que tocou nos primeiros três trabalhos da Legião - à direita, na foto). Várias músicas de Dois fizeram sucesso, como Será, Tempo Perdido, Eduardo e Mônica, Índios e Quase sem querer.

A vontade de procurar um tipo de música-protesto veio quando eu voltava de viagem no último domingo, ouvindo o CD do Seu Jorge com Ana Carolina, quando a cantora, antes de cantar Unimultiplicidade - uma parceria com o fantástico Tom Zé -, lê um texto de Elisa Lucinda (sobre a autora, veja também):

Só de Sacanagem
Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Tudo isso que está aí no ar,
Malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro,
Do meu dinheiro, do nosso dinheiro
Que reservamos duramente para educar os meninos mais pobres que nós,
Para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais,
Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade
E eu não posso mais.
Quantas vezes vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis
Existem para aperfeiçoar o aprendiz,
Mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros
Venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro,
A luz é simples,
Regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó
E os justos que os precederam:
“Não roubarás”,
“Devolva o lápis do coleguinha”,
“Esse apontador não é seu, minha filha”.
Pois bem, se mexeram comigo,
Com a velha e fiel fé do meu povo sofrido,
Então agora eu vou sacanear:
Mais honesta ainda vou ficar.
Só de sacanagem!
Dirão:
“Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo o mundo rouba”
E eu vou dizer:
Não importa, será esse o meu carnaval,
Vou confiar mais e outra vez.
Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos,
Vamos pagar limpo a quem a gente deve
E receber limpo do nosso freguês.
Com o tempo a gente consegue ser livre,
Ético e o escambau.
Dirão:
“É inútil, todo o mundo aqui é corrupto,
Desde o primeiro homem que veio de Portugal”.
Eu direi:
Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram?
IMORTAL!
Sei que não dá para mudar o começo
Mas, se a gente quiser,
Vai dar para mudar o final!
Confira o trecho do show:

Não tem preço

A história da chegada das gêmeas aqui em casa foi incluída na promoção O que não tem preço para você?, da Mastercard. Se você é meu amigo (se for inimigo, clique também... rs...), entre no link acima e clique em "Veja todas as histórias". Do lado esquerdo, embaixo, tem o campo "Busca Geral". Digite "Fábio Davidson" (não esqueça o acento) em "Nome" e, em seguida, clique no botão "Buscar". Vai aparecer a nossa história!
Valeu pela força!!!

Liberdade internética

Fiquei sabendo via Volney Faustini (que resumiu o assunto muito bem), que ficou sabendo via Paulo Brabo, o que o Sergio Amadeu e o blog Nova Corja têm replicado e precisa de nosso apoio. Se você quiser saber mais sobre o assunto, consulte os camaradas citados.

Humor de 1ª na Segunda (12)

Agora, se o seu carro é alvo constante das "amigas" pombas,
segue uma dica do amigo Wilson Tonioli, do blog Verticontes:

Vamos refletir?


A Semana de Reflexão Teológica terminou na quinta-feira e trouxe um tema profundo:

O desafio de iluminar a metrópole

Infelizmente, só pude comparecer nesta noite de quarta-feira. Mas, foi altamente inspirador e inquietante. A palavra do sociólogo Gedeon Freire de Alencar (mestre em Ciências da Religião - UMESP - e diretor pedagógico do ICEC - Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos em São Paulo) trouxe, como o próprio preletor admitiu, mais questões do que respostas.A pergunta proposta inicialmente para a noite foi:

Como iluminar a metrópole?

O texto base foi Atos 5.1-11, que narra a história do casal Ananias e Safira.
E mais perguntas foram levantadas, entre elas:
- Iluminação só faz sentido com a escuridão?
- O projeto de iluminar a cidade é uma utopia (pura ilusão)?
Gedeon lembrou que a igreja nasceu como um fenômeno urbano, tendo crescido e se solidificado nas cidades. Porém, deve se levar em conta que o modelo de cidades da época da igreja primitiva difere muito do modelo existentes em megalópoles como São Paulo. Naquela época havia uma igreja pobre e cuja estrutura era baseada na economia de subsistência. Porém, o maior diferencial era que, naquele ambiente, "as pessoas eram importantes umas para as outras" e isso era visível para aqueles que não faziam parte dela.
O cristianismo nasce, portanto, baseado na idéia de justiça social e da busca da dignidade humana. Neste ponto, Gedeon destaca a importância do profeta. Ao contrário do que muitos imaginam, o profeta não deve ser visto como um vidente, mas sim como aquele que torna conhecida a profecia. E a profecia, no contexto bíblico, não é a previsão do futuro, mas sim "denúncia ética do momento presente". Para isso, podemos ter o exemplo das advertências do profeta Amós (confira e veja como são muito atuais...).
Assim, quando a sociedade abandona e marginaliza os pobres, torna-se cada vez mais rica e arrogante, em um ciclo terrível. E a igreja, muitas vezes, acaba reproduzindo este modelo social. Por isso, mais uma pergunta:

Que diferença estamos (nós, igreja) fazendo?

A resposta é difícil, mas um caminho foi apontado pelo preletor:
Não devemos ser diferentes por sermos ricos ou por cantarmos bem. Devemos ser vistos como diferentes por respeitar a dignidade das pessoas.
Assim, finalizamos o momento inicial e o grupo foi dividido para dois seminários. Optei pelo seminário sobre Política, sob a coordenação de Patrick Timmer. Conheci um pouco sobre o movimento Fale e pudemos discutir um pouco sobre cidadania, democracia e a importância da nossa participação política (como cidadãos e como cristãos).

Ao juntar os dois momentos, fiquei com algumas inquietações:

1) O quanto eu estou inserido na minha comunidade? Posso dizer que eu a conheço e a amo o suficiente para me importar com ela, valorizá-la e defendê-la? (Nessa pergunta, também podemos substituir o "eu" por "minha igreja"). Pensei nisso ao constatar o quanto estamos em movimento. Moramos em um bairro, trabalhamos em outro, estudamos em outro, freqüentamos a igreja em outro. Às vezes, estamos envolvidos com 3 ou 4 bairros diferentes. E, assim, não temos tempo (e, portanto, nem convívio) para conhecermos os problemas que nos cercam e lutarmos, verdadeiramente, para que sejam solucionados. Optamos - quando o fazemos - por lutar por bandeiras mais gerais, o que me levou para a segunda inquietação:

2) Embora eu acredite na necessidade de grandes ações políticas, ambientais e sociais (o Fale é um bom exemplo), uma ilustração veio à minha mente e coloquei para aqueles que discutiam o assunto: Será que, muitas vezes, queremos ser um holofote no estádio, quando fomos desenhados para ser uma lâmpada no banheiro? Não que os holofotes sejam desnecessários. Mas, acredito que o mundo precisa mais de várias pequenas ações locais que, embora possam permanecer desconhecidas, promovem pequenas mudanças em diferentes pontos e, com o tempo, provocam mudanças gigantescas.

zOnA dA RefOrmA # 007

(Parte 2)
(também no GodTube)

De grão em grão

Desesperados com o final abrupto da série Jericho, milhares de fãs da série no mundo inteiro fizeram um protesto inusitado: enviaram amendoins, pistaches, nozes e afins para a rede CBS. E não foram alguns pacotes. Segundo consta, foram quase 20 toneladas de "nuts". Nuts é uma abreviação de peanuts, que em português geralmente é traduzido como amendoim (lembrem-se do Charlie Brown e sua turma) ou fruto seco.
Mas, como nem tudo na vida é literal, em inglês o termo também é usado como gíria. Segundo o sítio Poltrona, "a frase 'Nuts!' é atribuída ao general norte-americano Anthony Clement McAuliffe durante a II Guerra Mundial. Cercado por alemães ao fim da Batalha do Bulge, na França, McAuliffe soltou a frase sem nenhum sentido aparente para afirmar que não se renderia". A partir daí, a expressão adquiriu um sentido semelhante a "Dane-se" ou, segundo o canal AXN, "Tá louco". Ah, também é uma forma chula para se referir aos testículos...
Os fãs adotaram o sentido literal, aproveitando que no "antigo" último episódio, um dos heróis da série grita "Nuts" em uma situação de perigo. O principal sítio envolvido na campanha foi o http://www.nutsonline.com/jericho.
A emissora voltou atrás, os sete episódios que haviam sido cancelados foram gravados e já foram ao ar nos EUA (no Brasil serão exibidos de 7 a 12 de julho). A presidente da CBS chegou a dar uma resposta para os fãs de Jericho (o mais legal é o Post Scriptum):
June 6, 2007

To the Fans of Jericho:

Wow!

Over the past few weeks you have put forth an impressive and probably unprecedented display of passion in support of a prime time television series. You got our attention; your emails and collective voice have been heard.

As a result, CBS has ordered seven episodes of "Jericho" for mid-season next year. In success, there is the potential for more. But, for there to be more "Jericho," we will need more viewers.

A loyal and passionate community has clearly formed around the show. But that community needs to grow. It needs to grow on the CBS Television Network, as well as on the many digital platforms where we make the show available.

We will count on you to rally around the show, to recruit new viewers with the same grass-roots energy, intensity and volume you have displayed in recent weeks.

At this time, I cannot tell you the specific date or time period that "Jericho" will return to our schedule. However, in the interim, we are working on several initiatives to help introduce the show to new audiences. This includes re-broadcasting "Jericho" on CBS this summer, streaming episodes and clips from these episodes across the CBS Audience Network (online), releasing the first season DVD on September 25 and continuing the story of Jericho in the digital world until the new episodes return. We will let you know specifics when we have them so you can pass them on.

On behalf of everyone at CBS, thank you for expressing your support of "Jericho" in such an extraordinary manner. Your protest was creative, sustained and very thoughtful and respectful in tone. You made a difference.

Sincerely,

Nina Tassler
President, CBS Entertainment

P.S.    Please stop sending us nuts :-)

Capa da Semana (11)

Há jornais que são verdadeiros classificados... No exemplo de hoje, o canadense The Winnipeg Sun.

Pensando em alternativas ao invés de represálias

DIREITO DE RESPOSTA
A justiça, quando tarda, falha
Por Carlos Brickmann em 1/7/2008

O caro colega é capaz de citar, de memória, os principais envolvidos na Máfia dos Sanguessugas? E como terá caído o ministro Eliseu Rezende?

Nenhum dos casos é assim tão antigo. Este colunista, a propósito, também não sabe responder às perguntas acima. O tempo passa depressa, uns acontecimentos atropelam os outros, a gente lembra uma ou outra coisa, mas os detalhes se perdem no vai-e-vem da memória. No entanto, nossa lei de direito de resposta obedece aos mesmos ritos judiciários dos demais processos. E não é raro ler, em algum jornal ou revista, a resposta a um ataque ocorrido há muitos e muitos anos, do qual já não mais nos lembramos – a tal ponto que nem a resposta faz sentido.

Se nós, jornalistas, somos contra a censura, temos de ser também favoráveis a um mecanismo rápido de direito de resposta. O direito à informação não é da imprensa, nem dos jornalistas; é dos cidadãos. Mas poucos são os veículos que, sem esperneio, admitem que os acusados numa reportagem tenham o direito real de se defender. E o número de reportagens em que o direito de defesa dos acusados é assegurado é ainda menor.

Há muita maracutaia, do tipo "não foi possível encontrar o sr. Fulano" (que, aliás, continua residindo a um quarteirão do jornal, mas foi procurado na empresa por volta das 8 da noite, quando só os faxineiros e seguranças estão trabalhando), ou "Sicrano negou as acusações" (quando o cavalheiro citado, acusado de matar a sogra, espancar o filho pequeno e botar fogo na própria casa, informa que não é casado, não tem filhos e mora num hotel). E, muitas vezes, o direito de resposta não é concedido pelo veículo de comunicação, e pronto. Quem quiser que entre na Justiça e espere a decisão.

Talvez esteja na hora de pensar num mecanismo rápido, extrajudicial, que possa arbitrar o conflito de interesses entre atacantes e atacados, sem prejudicar a liberdade de imprensa, sem prejudicar o direito de resposta. Algo, possivelmente, como o Conselho de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar), cuja autoridade moral é aceita pelas agências de publicidade e pelos profissionais do ramo. E que, nos casos referentes à publicidade, age com rapidez e eficiência. Jornalistas, pessoas de destaque, convidados acima de qualquer suspeita se reuniriam e decidiriam até mesmo o espaço (ou o tempo) concedido ao reclamante. Que, claro, não estaria na seção de Cartas, mas, como manda a lei, no mesmo local e com o mesmo destaque da reportagem acusatória.

E que melhor foro para discutir o assunto do que o Observatório da Imprensa?

Retratos & Reflexos (11)

Para quem tem filhos, mês de férias lembra...
Zoológico!!!
Tigre branco e Girafa 
Fotos: © Fábio Davidson

Nesta quarta, na faixa

Filho de peixinho...

Nesta semana, vamos curtir o som do filho do sambista Oswaldo "Melodia" dos Santos. Nascido Luiz Carlos dos Santos, em 1973 lançou o álbum de estréia, intitulado Pérola Negra, e adotou o sobrenome artístico do pai, ficando conhecido como Luiz Melodia. A perfeita conexão entre melodia, poesia e originalidade está nas composições deste grande músico brasileiro.
Nascido no berço do samba, o bairro Estácio de Sá, no Rio de Janeiro, Melodia é um exemplo da fusão de ritmos, como rock, pop, jazz, bossa nova, funk, baião, etc.
O sucesso que você ouve essa semana no DoxaOnline é Pérola Negra que deu nome ao seu primeiro trabalho (1973), mas já havia sido gravada um ano antes por Gal Costa, no álbum Gal a Todo Vapor, graças à descoberta pelos compositores Torquato Neto e Waly Salomão, que ficaram deslumbrados com a música.
A versão escolhida é de um show ocorrido em junho de 1999, no Rio de Janeiro, que foi lançado em CD pela Indie Records com o nome Acústico Ao Vivo e rendeu o primeiro disco de ouro da carreira de Luiz Melodia.
Pérola Negra
Tente passar pelo que estou passando
Tente apagar este teu novo engano
Tente me amar pois estou de amando
Baby, te amo, bem sei que te amo

Tente usar a roupa que eu estou usando
Tente esquecer em que ano estamos
Arranje algum sangue, escreva num pano
Pérola Negra, te amo, te amo

Rasgue a camisa, enxugue meu pranto
Como prova de amor mostre teu novo canto
Escreva num quadro em palavras gigantes
Pérola Negra, te amo, te amo

Tente entender tudo mais sobre o sexo
Peça meu livro querendo eu te empresto
Se intere da coisa sem haver engano
Curta uma apresentação fantástica de Luiz Melodia e Seu Jorge, interpretando Diz Que Fui Por Aí, música de Zé Keti e Hortêncio Rocha:
Google