.

Retratos & Reflexos (94)


e.pitaph II by *silent-order

Only voices

Se você curte Take 6, vai gostar do trabalho do grupo LouVIze.

Humor de 1ª na Segunda (94)

Use com moderação.

O último que sair apague a luz


Hoje, das 20h30 às 21h30, é o momento para apagar as luzes onde você estiver. A Hora do Planeta é uma campanha mundial da rede WWF que quer mobilizar 1 bilhão de pessoas em todo o planeta sobre as questões do combate às causas do aquecimento global.

Capa da Semana (93)

 A imprensa já foi chamada de "quarto poder". Talvez, nem tanto. Mas, que é uma arma, isso é. Para onde vai apontar e quais são os interesses ocultos é a grande dúvida. Por isso, chamou minha atenção a primeira página do jornal Diário de S. Paulo de ontem. A primeira página é a vitrine de um jornal. Geralmente, quem tem o hábito de ler jornais, tem o seu preferido, acostuma-se a ele e só troca se acabar os exemplares na banca - para quem não é assinante. O grande lance é quando um concorrente consegue chamar sua atenção e mudar sua opção de compra. Assim, pensando que a primeira página é um golpe de marketing, fico em dúvida se a intenção do Diário nessa quinta-feira foi realmente ser uma voz dissonante em toda a "grande imprensa", expresso na manchete e na "Opinião do Diário" colocada na capa e no editorial. Afinal, mesmo se vangloriando de não ter embarcado na onda do caso Escola Base, quando ainda era o jornal Diário Popular (saiba mais), por que só agora (dois anos depois do início do caso) resolveu manifestar esse tipo de posição?
Talvez a história do jornal nos ajude a entender. Fundado em 1884, em 1929 o Diário Popular foi comprado por Assis Chateaubriand e, em 2001, passou para a Inflglobo, que mudou para o atual nome e o vendeu, em outubro de 2009, ao empresário da Traffic, J. Hawilla. (Aqui há uma dissertação de mestrado interessante sobre o jornal)

Abrem-se as cortinas

O julgamento do casal Nardoni na sociedade do espetáculo
Pedro Estevam Serrano

O rumoroso caso da morte da menina Isabella Nardoni, que morreu aos cinco anos após sofrer uma queda do sexto andar do apartamento em que morava, em abril de 2008, volta a ganhar espaço na mídia por conta da proximidade do início do julgamento do pai e da madrasta da menina. Ambos são acusados de atirarem Isabella pela janela e negam tal imputação.

Quero apartar-me do debate penal e criminalístico do caso, conduta que considero a mais adequada para um simples estudante do Direito Constitucional e Administrativo. Mas como espraio minha atenção e interesse pelas águas da formação do homem enquanto indivíduo, das transformações sociais, das razões históricas do mundo contemporâneo e das teorias pós-modernas sobre o comportamento humano, peço sua licença, neste texto, para me aventurar pelos caminhos da observação crítica do fenômeno dos julgamentos de casos especiais, no âmbito da sociologia do direito, como este que foi mencionado.

A reflexão que proponho é sobre o contexto no qual o julgamento se realizará, muito mais próximo da racionalidade da comunicação do que da racionalidade jurídica, como seria desejado que acontecesse.

(Via: Última Instância - Leia na íntegra aqui)

Retratos & Reflexos (93)

Comecei a ler o livro Plano de Ataque, de Bob Woodward,
e, talvez pelo momento, esta foto relacionada ao Iraque
chamou minha atenção (Fonte: FotoSearch)

Som e Fúria

Na última sexta-feira, o Dream Theater agitou São Paulo. Confira uma performance de A Fortune In Lies, do DVD Images and Words Live in Tokyo:

Humor de 1ª na Segunda (93)

Ontem, li sobre a tal "Roleta de Chat" (ChatRoulette). Como algumas novidades da rede, promete virar moda. Pois é, ao dar uma olhada no Bombou na Web, descobri um vídeo de um camarada que inovou na forma de se conectar com os "estranhos", improvisando ao piano:


Embora o desconhecido tenha se identificado como "Merton", muitos acreditam que ele seja o pianista Ben Folds. Bom, não há a confirmação disso, mas Folds fez uma performance, ao vivo e com um roupa semelhante, em um show conectado ao ChatRoulette e intitulou a música Ode to Merton.

Capa da Semana (92)

A capa remodelada do Estadão.

Repaginado

Aprovei (quem sou eu???) a reforma gráfica do Estadão. O jornal impresso ficou muito mais bonito e fácil de ler. Só não gostei muito da cor de fundo do site. Entenda as mudanças aqui.

Retratos & Reflexos (92)



Um acervo com cerca de 200 imagens – editadas pela fotógrafa
inglesa Maureen Bisilliat, com a colaboração dos curadores
do Instituto Moreira Salles (IMS) – estará exposto,
gratuitamente, até 4 de julho, na Galeria de Arte do Sesi-SP.

Serviço:
Exposição Maureen Bisilliat: fotografias
Local: Galeria de Arte do Sesi-SP
Av. Paulista,  1313 (metrô Trianon-Masp)
Exposição: de 2 de março a 4 de julho de 2010
Horários de visitação: segunda, das 11h às 20h;
de terça a sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 19h.
Informações: (11) 3146-7405 / 3146-7406 - Entrada: franca

Carro do barulho


Humor de 1ª na Segunda (92)


Mais uma mente criativa que se vai de uma forma estúpida.
Geraldinho, by Glauco (10/3/1957 - 12/3/2010)
Confira algumas homenagens de cartunistas aqui.

Capa da Semana (91)


Sobre esta capa do jornal Los Angeles Times - que causou muitas controvérsias na mídia dos EUA - leia aqui o artigo de Leticia Nunes (edição) e Larriza Thurler, para o Observatório da Imprensa.

Cobertura de desastres

O jornalismo diante das tragédias
Por Lilia Diniz em 10/3/2010

Desde os primeiros dias de 2010 a população brasileira acompanha um noticiário repleto de sofrimento. Terremotos, tempestades, nevascas e enchentes assolaram países como o Haiti, Chile, Portugal, Turquia, França e Brasil, causando a morte de milhares de pessoas. Nas manchetes de jornais, reportagens de televisão e fotografias o drama dos que sobreviveram e a luta para recomeçar. Mas por quanto tempo é possível manter estas tragédias na pauta sem correr o risco de saturar o leitor? E quem determina quando um assunto já está esgotado? O que os jornalistas aprendem neste tipo de cobertura e qual deve ser o tom do trabalho da mídia? O Observatório da Imprensa exibido na terça-feira (9/3) ao vivo pela TV Brasil discutiu estas e outras questões que pautam a atuação dos meios de comunicação durante coberturas de catástrofes naturais.
(Leia na íntgra, no Observatório da Imprensa)

Retratos & Reflexos (91)



A vida dos fotojornalistas (ou fotorrepórteres) não se resume mais no clique e na revelação. Agora, subir a foto o mais rápido possível para a redação é prioridade. Por isso, achei interessante o registro de Titi Kakas, do Fotosalada, mostrando os bastidores da "redação móvel" de Leo Lemos, editor e fotógrafo da QUEM, em pleno carnaval de Salvador.

Simplicidade e emoção

Sem palavras... Viva La Vida - Cold Play, por PS22 Chorus. Assista!


Humor de 1ª na Segunda (91)

Capa da Semana (90)

10 anos em 92 capas de revistas
A primeira década do século XXI em 2 minutos.
(Fonte: MPA)
*
Em Tempo: Será que acabou a lua-de-mel da CartaCapital com Lula?

Memória & História

Anualmente, a UNESCO promove o FIAMP, Festival Internacional do Audiovisual e da Multimídia sobre o Patrimônio. Este Festival foi criado para promover e disseminar produções no campo de museus cibernéticos. Ele premia filmes e vídeos de diversas metragens e algumas artes em multimídia.

Este ano, o vídeo brasileiro “Memorial da Resistência”, realizado pela produtora de audiovisual Preto e Branco, com trilha sonora de Mauricio Domene, do Estúdio Next, ganhou o Grand Prix na categoria Curta Metragem.

O vídeo é exibido em uma das salas do antigo prédio do DOPS, Departamento de Ordem Política e Social, numa exposição permanente chamada Memorial da Resistência, que retrata as condições e o tratamento recebidos pelos presos políticos durante o Regime Militar brasileiro, de 1964 a 1979.

A trilha sonora para o vídeo foi toda composta com sons de piano preparado. Esta técnica, criada por John Cage, consiste em produzir sons quase estranhos, obtidos a partir de batida na madeira, arranhaduras nas cordas e colocando-se objetos próximos a elas.

Segundo o site oficial do Festival, o vídeo foi premiado “por sua capacidade de usar uma encenação original capaz de envolver emocionalmente o espectador, sem abrir mão do rigor científico, comunicado com precisão”.
(Fonte: Next)


A memória é um importante ingrediente para se manter a História viva. Mesmo quando ela não seja tão agradável. Parabéns, Domene!

Retratos & Reflexos (90)


Um dos precursores da videoarte mundial, Gary Hill apresenta uma mostra impactante, em que palavra e imagem se combinam e se confrontam. A exposição Circumstances/Circunstâncias é composta por cinco videoinstalações sendo Unconditional Surrender um site especialmente criado para o MIS. A obra é o primeiro trabalho do artista realizado totalmente com técnicas de computação digital. (Saiba mais)

Circumstances/Circunstâncias
» Palestra com Gary Hill
13mar2010
sáb, 20h

» Mostra de vídeos single channel - Gary Hill
07mar2010 - 21mar2010
dom, 16h

» Exposição
19jan - 28mar2010
Visitação: terça a sábado, 12h às 19h; domingos e feriados, 11h às 18h.
exposições 1º andar / espaço redondo
R$ 4,00. Meia-entrada: R$ 2,00. Maiores de 65 anos grátis. Grátis aos domingos.

»Avenida Europa, 158 - Jardim Europa
São Paulo - SP
Telefone: 55 11 2117 4777

O que o mundo precisa agora...

By TED

Humor de 1ª na Segunda (90)

No início, fiquei em dúvida se colocaria este vídeo hoje (humor) ou quinta (jornalismo)... Curta Rafinha Bastos, Marcelo Mansfield e grande elenco (!) em uma versão do vídeo How to report the news, de Charlie Brooker.



Google