.

Humor de 1ª na Segunda (103)


Hugo, by Laerte

Capa da Semana (102)


Apenas uma palavra para esta capa: deplorável.
(Para não falar, também, antijornalística)

Chamem o IBAMA. O Macaco está liberado!

José Simão pode falar de Juliana Paes em sua coluna
Por Fabiana Schiavon

O humorista José Simão, da Folha de S. Paulo, já pode voltar a fazer piada sem censura. A juíza Bianca Ferreira do Amaral, da 4ª Vara Cível da Barra da Tijuca, rejeitou o pedido da atriz Juliana Paes de proibir o jornalista de fazer sátiras de suas personagens vividas na TV. A briga começou em 2009, durante a exibição da novela Caminho das Índias, da Rede Globo, em que Juliana vivia a personagem Maya. Para juíza, o colunista não abusou da sua liberdade de expressão e humorística.

Em julho do mesmo ano, a atriz conseguiu liminar no Juizado Especial da Barra da Tijuca proibindo o colunista de fazer sátiras relacionadas ao seu nome. Esse processo foi ajuizado somente contra José Simão. Nasequencia desse processo, está marcada uma audiência no dia 14 de junho, às 11h.

Juliana alega que o colunista vinha publicando textos ofensivos a seu respeito  no jornal e na internet, “denegrindo sua imagem, bem como a de sua família”. Ela ficou ofendida com a “gozação” feita em cima de seus atributos, citando trechos de textos como: “Juliana Paes, quero descascar a minha banana!”, “E você prefere a Juliana Paes na Índia ou na Playboy? Na Playboy, porque o bumbum da Juliana é um abuso de autoridade!”.

Em sua decisão, a juíza Bianca Ferreira, da 4ª Vara Cível, lembrou que a atriz, junto com a novela, participou de uma propaganda de cerveja em que era associada à marca “A Boa”, “na qual se enfatiza a beleza e a sensualidade da autora”. E ainda citou que Juliana já posou nua para a Playboy, “na qual a autora se despiu e mostrou todo o seu corpo, sem qualquer informação ou aspecto de constrangimento”.

Nesse caso, no entendimento da juíza, o colunista veiculou apenas “brincadeiras” que envolviam a atriz no período em que ela atuava na novela. “Sendo certo que as gozações e zombarias foram feitas com correlação a sua personagem Maya, ainda que se referindo ao seu próprio nome "Juliana", porque não é possível se desvencilhar absolutamente os atributos de mulher bonita e sensual de Juliana Paes com os de sua personagem”, afirmou a juíza.

Na sentença, concluiu que José Simão não abusou do seu direito de informação e liberdade de expressão jornalística e humorística e por isso a atriz não deve ser indenizada. “Não se pode duvidar, ainda, que é da essência dos meios de comunicação relatar fatos e realizar comentários, sejam eles verdadeiros ou não, acerca de pessoas famosas, em busca de ibope.”
(Fonte: Conjur)

Retratos & Reflexos (102)


O fotógrafo Marcelo Greco e o artista plástico Sergio Fingermann lançam o trabalho conjunto Tempos Misturados, um “livro-portfólio” numerado e assinado, editado pela Schoeler Editions. Uma caixa com acabamento em tecido acompanha o livro, impresso em papel de algodão. (Fonte: Fotoclube f/508)

Serviço
Local: Espaço Contraponto (Rua Medeiros de Albuquerque, 55, Vila Madalena – São Paulo)
Horário de visitação: de segunda a sexta, das 14h às 18h; sábado, das 11h às 14h

Parla con te

Não assisti - nem pretendo - nenhum capítulo da nova novela global,
mas pelo menos descobri o grupo italiano a capella Neri Per Caso,
que tem uma música na trilha sonora. Procurando pelo YouTube,
encontrei uma versão de Englishman in  New York.
 *
Abaixo, uma apresentação com pessoas que participaram
do Workshop a Capella, com o maestro do grupo, Ciro Caravano,
e fizeram uma versão de Give a Peace a Chance 
no saguão do Conjunto Nacional, em São Paulo.

Humor de 1ª na Segunda (102)


Capa da Semana (101)


Lula, na primeira página do
Jornal de Notícias (Portugal).

Anjos e demônios

Como demonizar populações vulneráveis
Washington Araújo

Na matéria "A farra da antropologia oportunista" (Veja nº 2193, de 5/5/2010), seus autores realizam uma proeza e tanto. Conseguem colocar de pé verdadeiros totens em adoração à ignorância acadêmica, ao capitalismo redentor de todas as mazelas humanas, ao agronegócio-bóia de salvação da economia brasileira. E também à tendenciosidade.

Ao longo de sete páginas (154 a161) com 13 parágrafos totalizando 1.466 palavras e adicionais nove boxes, com direito a nove fotos e nove mapas, a reportagem dirige sua bateria de mísseis, pela ordem, aos (1) índios em geral, (2) antropólogos, (3) negros em geral, (4) quilombolas em particular, (5) padres católicos, (6) dirigentes e funcionários de organizações não-governamentais, (7) agentes públicos e (8) ativistas políticos. E é farta em números, números que fariam matemáticos se arrepiar ante a ginástica apresentada para dar conta que "áreas de preservação ecológica, reservas indígenas e supostos antigos quilombos abarcam, hoje, 77,6% da extensão do Brasil. Se a conta incluir também os assentamentos de reforma agrária, as cidades, os portos, as estradas e outras obras de infraestrutura, o total alcança 90,6% do território nacional."

E, como habitual em matérias cuidadosamente planejadas para demonizar populações vulneráveis do país – aqui entram indígenas e afrodescendentes – e aqueles que se atrevem a levantar a voz em sua defesa, não faltam unidades de medida no mínimo curiosas: "Isso equivale a São Paulo e Minas Gerais", ou aquilo será como perder "todo um Pernambuco".
(Leia na íntegra no Observatório da Imprensa)

Retratos & Reflexos (101)


Foto de Steve McCurry, que estará em São Paulo a convite do
SP Photo Fest e da revista Fotografe Melhor para workshop e palestra
no Museu da Imagem e do Som (MIS), às 19h30 desta quinta-feira (20/5).
Retirada de ingresso (gratuito) 1h antes do evento.

O arco-íris ficou preto e branco

No último domingo (16/5), morreu o vocalista Ronnie James Dio, vítima de um câncer no estômago. Confira uma versão de Rainbow in the Dark, de um show de 1983:


Mais recente, uma versão do clássico Heaven and Hell:

Humor de 1ª na Segunda (101)

Empresa lança GPS para localização de controle remoto
Quem nunca se viu obrigado a assistir um programa chato na TV porque não encontrou o controle remoto para mudar de canal? Foi pensando nesse tipo de situação que uma empresa de tecnologia desenvolveu um dispositivo de localização por GPS para controles remotos.
O dispositivo pode ser acoplado ao controle remoto e a localização exata do aparelho estará disponível em qualquer aparelho conectado à internet. A idéia é que os próximos aparelhos televisores já venham com o dispositivo embutido no controle e que a localização seja feita através da própria TV. O serviço custará US$ 5 mensais.
"Nossa intenção é minimizar os traumas sofridos com a exposição involuntária à programas de televendas e horários eleitorais, por exemplo." Disse Leonard Hyde, CEO da LabTech.
A empresa já tem um projeto para aplicar o dispositivo localizador a outros objetos como guarda-chuvas, carregadores de celular e tampas de caneta. Entre os desenvolvedores o dispositivo foi apelidado de São Longuinho.
 (Fonte: Sensacionalista)


Às vezes, algumas notícias que lemos no jornal parecem a mais pura mentira. Mas, quando o inverso acontece, há pessoas que acreditam que uma mentira é a mais pura verdade. Foi o que aconteceu com o sítio Sensacionalista. Com o lema: "um jornal isento da verdade", publica as mais estapafúrdias - e divertidas - notícias (como a que você acaba de ler, acima).
Como o mundo está cada vez mais googliano, algum jornalista estrangeiro completamente despreocupado com a investigação das fontes publicou uma das "notícias" do Sensacionalista como verdadeira. Sinceramente, não entendo como alguém pode acreditar ser verdadeira uma notícia com a manchete: "Mulher engravidou vendo filmo pornô 3D"!!!
Enfim, depois que um site "sério" publica, o efeito em cadeia é praticamente inevitável. Tanto que o sítio publicou uma nota (em português e inglês) que termina com a seguinte advertência: "Por favor, não publique essa matéria em seu site. E da próxima vez cheque as informações. Esse site é um site de humor. Nada do que está aqui é real".

Capa da Semana (100)

Dois jornais populares - alguns diriam sensacionalistas - que na quarta-feira optaram por diferentes formas de destacar na primeira página a notícia do atropelamento de um bebê de 4 meses, que estava no colo da mãe:

 O Agora São Paulo (acima) optou pela foto
e a manchete "Criança é arrastada por
500 metros e sobrevive".


O Diário de S. Paulo optou por uma
chamada sem fotografia, com a manchete:
"Motorista foge após atropelar mãe e bebê".
Para não fugir à regra, no dia seguinte o jornal
"atrasou", mas resolveu dar destaque ao bebê:

Nada off

Conversa informal também pode ser publicada
Por Fabiana Schiavon

Não existe informação em “off” na imprensa. As informações repassadas ao jornalista, mesmo em conversa informal, podem fazer parte de reportagem jornalística. Com esse entendimento, a 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo negou indenização por danos morais a um delegado de Polícia Federal. Ele reclamou de entrevista exibida pela TV Globo no programa Globo Repórter sobre pedofilia. A TV Globo foi defendida pelo advogado Luiz Camargo de Aranha Neto.

De acordo com os autos, o delegado deu declarações para o repórter entendendo que tratava-se de um “ensaio” para a entrevista que seria veiculada. Segundo o delegado, a equipe de reportagem abusou do seu direito, pois “veiculou imagens indevidamente gravadas, referentes à conversa informal entre o entrevistado e a repórter”. O delegado afirma que a emissora exibiu “matéria inverídica e tendenciosa, que ocasionou danos à esfera moral do demandante”.

Para a juíza Anna Paula Dias da Costa, 2ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro, como o delegado exercia um cargo de comunicador social de sua corporação, “presume-se estar apto a lidar com esse tipo de situação, inclusive adotar uma postura compatível com o seu cargo, utilizando-se de expressões adequadas, ainda que informalmente, pois não estava agindo em nome próprio e sim, como representante da corporação”.

Concordou com seu entendimento o desembargador Antonio Mansur Filho do TJ-SP. Para ele, não há como argumentar que a entrevista comportaria gravação em “off”, porque não “se tratava de uma peça teatral que comportasse qualquer forma de ensaio”. “Destarte, se o apelante não se comportou adequadamente durante a entrevista, deixando transparecer as opiniões e emoções pessoais, desbordando do contexto formal de seu cargo, deve arcar com os ônus de sua conduta”, concluiu o desembargador.
(Fonte: ConJur)

Retratos & Reflexos (100)

Superman, by André Domingos

Talento nato

Humor de 1ª na Segunda (100)

Se você anda meio sem crédito...
Mais uma de Wilson Verticontes Tonioli.

Capa da Semana (99)




Encontrei um site bem bacana, o Pensando Alto, de Roberto Berholdo. Como o tema de hoje é a capa, aí vai um trecho do post que ele publicou comparando as capas de três das principais revistas semanais brasileiras:
Quem vê as capas das revistas dessa semana pode pensar que os últimos sete dias foram de muita tranquilidade. Não tivemos aumento de 0,75 na Selic, as chuvas não causaram novas mortes no país, a Lei da Anistia não foi julgada pelo STF.   (Leia na íntegra)

Indigne-se

“Quando perdemos a capacidade de nos indignarmos com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerarmos seres humanos civilizados”
Wladimir Herzog (1937-1975)

3 de maio - Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

Todos os anos, o dia 3 de maio é a data que celebra os princípios fundamentais da liberdade de imprensa, avalia a liberdade de imprensa no mundo, defende a mídia de ataques à sua independência e presta homenagem a jornalistas que perderam suas vidas no exercício de suas profissões.

O dia 3 de maio foi proclamado Dia Mundial da Liberdade de Imprensa na Assembléia Geral das Nações Unidas, em 1993, seguindo recomendação adotada na 26ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO, realizada em 1991.

Ao  informar cidadãos sobre a violação à liberdade de imprensa, o Dia destaca uma realidade que perdura em muitos países: publicações são censuradas, multadas, suspensas e arquivadas, enquanto jornalistas, editores e editoras são ameaçados, atacados, detidos e até assassinados.

Esta é uma data para encorajar e desenvolver iniciativas em favor da liberdade de imprensa e avaliar a situação da liberdade de imprensa em todo o mundo.

A ocasião serve também para lembrar os governantes da necessidade de se respeitar seus compromissos com a liberdade de imprensa e para gerar reflexão entre os profissionais de mídia sobre questões ligadas à liberdade de imprensa e a ética profissional. A data também apóia a mídia, alvo da repressão ou da abolição da liberdade de imprensa, e presta homenagem aos jornalistas que perderam suas vidas no exercício de suas profissões.
(Fonte: UNESCO)

Retratos & Reflexos (99)


Família Ferrez: novas revelações
Galeria Olido
Avenida São João, 473 - São Paulo/SP
Até 23 de maio
Horário: de 3ª a sexta das 12:00h às 20:30h;
sábados e domingos, das 13h às 20.00h.

Pop

Tem algumas músicas que "pegam". No som do carro ao lado, nos programas de TV e nos MP3s dos seus filhos adolescentes, parece uma perseguição. Então, me rendo a Lady Gaga para mostrar este divertido vídeo gravado pelo OTR - On the Rocks, um grupo vocal masculino em atuação desde 1999, quando nasceu na Universidade do Oregon (USA). A música é Bad Romance.

Curta outros vídeos do grupo aqui.

Humor de 1ª na Segunda (99)


Blog do Galhardo e os tempos modernos.
Google