.

Jornalismo fake

Na era virtual, divulgar a mentira como verdade é um perigo que nos ronda cada vez mais, acentuado pela precariedade da apuração e checagem nas redações, que sucumbem à velocidade da notícia. Assim, nesta semana muitos usuários do Internet Explorer foram comparados a pessoas com QI (quociente intelectual) mais baixo do que os usuários de outros navegadores. Uma notícia inútil, mas que ganhou manchetes nos principais portais de notícias, como o Terra, Abril, Uol, G1, entre outros. Já escrevi um dia desses que o problema maior não é o erro, mas a falta de uma errata clara. Esta notícia, por exemplo, até ontem à noite continuava acessível e sem nenhuma menção à sua falsidade na maioria dos sites! Aliás, verdade seja dita, o G1 manteve o link da notícia, apagou-a e em seu lugar colocou um link para a matéria que desmente tal pesquisa, onde afirma que "Milhares de serviços de notícias, incluindo o G1, noticiaram a publicação do estudo". No portal da Revista Exame, a matéria permanece e só um leitor atento percebe no "Leia Mais" o desmentido. O mais interessante é que nessa errata (sem nome de errata), fica claro que a descoberta não foi graças à investigação dos jornalistas (antes e muito menos depois de publicada), mas sim dos leitores, como se vê no parágrafo inicial:
Uma investigação, iniciada por leitores do site BBC News, na Inglaterra, apontou inconsistências no registro da empresa AptiQuant, responsável por uma pesquisa que relaciona o uso do Internet Explorer a baixos níveis de QI.

Assim, os jornais terceirizam os fotógrafos, os pauteiros e, agora, até mesmo os checadores das matérias! E me desculpem, chamar isso de modernidade e interatividade é pura ignorância! Mais uma vez, cuidado com o que lê na rede. Afinal, nem nos sites "confiáveis" é possível confiar...

Ainda sobre a qualidade dos periódicos, achei interessante o artigo Fazer jornais, e não baldes de plástico de Eric Pfanner, jornalista do International Herald Tribune, que foi traduzido e publicado no Observatório da Imprensa desta semana:
O autor da carta começa manifestando “um profundo sentimento de angústia em relação aos acontecimentos desagradáveis na empresa que, nós e gerações que nos antecederam, desenvolvemos com muito zelo e dedicação”. “É chocante que alguns dos membros da diretoria quisessem administrar uma instituição jornalística como uma companhia que produz baldes de plástico, com motivos comerciais e práticas aéticas se sobrepondo aos interesses e valores editoriais e, assim, prejudicando a credibilidade do jornal”, prossegue a carta. Essas condições, declara o autor, “tornaram minha permanência como editor insustentável.” (Leia a íntegra aqui)

Capa da Semana
Embora a capa seja do mês passado, nada melhor para ilustrar o assunto acima, do que a última primeira página do centenário e falecido The News of the World (1843-2011), cujo site, atualmente, é um verdadeiro - e triste - epitáfio.

0 Opiniões:

Google